FacebooktweeteryoutubehistorypinSlideshare
Get flash player to play to this file
FACEBOOK
NEWSLETTER

Remover e-mail da newsleter:

DESTAQUES

Porto de Pesca Costeira | Aveiro (2) - VÍDEOFOTO

Porto de Aveiro em movimento #2 - VÍDEOFOTO

Porto de Aveiro | Porto de Abrigo para a Pequena Pesca (2) - VÍDEOFOTO

«Ílhavo Sea Festival 2016» no Porto de Aveiro (12) | VÍDEOFOTO

Pás Eólicas no Porto de Aveiro - VÍDEOFOTO

De Aveiro a Cacia - Imagens aéreas

“KARINA G” no Porto de Aveiro | Filmagens com drone | 1

“HC OPAL” no Porto de Aveiro | Filmagens nocturnas com drone | 4


METEO
Tempo Aveiro
LINKS

Figueira
Arquivo




FOTOS

 Porto de Aveiro - Tilt Shift

Porto de Aveiro - Tilt Shift
SLIDESHOW



ECOMARE, LABORATÓRIO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO
Uma «biblioteca» de invertebrados marinhos para estudar o que (ainda) não vem nos livros

O Ecomare, laboratório da Universidade de Aveiro inaugurado em 2017, guarda uma colecção única em Portugal de corais, algas, anémonas e lesmas-do-mar mantida por investigadores interessados “numa aquacultura menos convencional”.

Há uma “biblioteca” num centro de investigação em Aveiro que não se conserva em prateleiras — antes, vive dentro de aquários. Ricardo Calado, investigador principal numa das unidades do Ecomare, laboratório da Universidade de Aveiro, onde também é professor, abre-nos a porta a um mundo onde (quase) todos gostaríamos de mergulhar, mas que, em simultâneo, ameaçamos. Tanto com decisões aparentemente tão insignificantes como o tipo de protector solar químico que escolhemos como grandes actividades industriais que causam o aumento da temperatura e acidificação da água do mar. Ali dentro, porém, o ambiente é controlado. “Esta é a nossa biblioteca de invertebrados marinhos”, apresenta o responsável pelo centro. “Há aqui uma série de potencial a ser explorado.”

Nesta sala, estudantes, investigadores (e, às vezes, visitantes curiosos) criam invertebrados como corais, anémonas ou amêijoas gigantes para aquários e investigação científica. Uma “aquacultura sustentável menos convencional”, pelo menos quando comparado com a que tem lugar num tanque muito maior onde nadam mil salmões destinados a consumo humano, na parte exterior do edifício junto à ria de Aveiro, na Gafanha da Nazaré.

Ricardo Calado também nos levou até lá, mas o que nos faz parar é um protótipo de um recife de coral que poderíamos ver nas águas do Indo-Pacífico, caso os investigadores não tivessem misturado no mesmo aquário “espécies de várias proveniências”. A maior parte delas já produzidas em cativeiro e, no caso das amêijoas gigantes ou dos corais duros, protegidas pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção. “As pessoas às vezes não sabem, mas ter um esqueleto de coral em casa, sem estar devidamente legalizado, do ponto de vista legal é tão grave como ter um dente de elefante ou um pente feito de carapaça de tartaruga”, alerta.

continue a ler aqui




Data: 2019-08-22



Newsletter: Subscrever | Newsletter: Cancelar | Política de Privacidade e Confidencialidade

feed
mapa
Publicidade